23
jan
10

A atmosfera do quarto encantado para ser respirada.

A fotografia de Lynn S K  e os véus líricos  descortinam, paulatinamente, os sonhos virginais que indefinidamente serão sonhados. O ziguezaguear da pele no tecido que ao tocar o tinge de desejos que se abrem em botões já na infância. Que nossos dois corpos sejam embalados infinitamente nos jardins fora da janela e nos jardins interiores. Sim,  para dar seiva aos sonhos que nos desnudam.

http://lynnsk.free.fr/images.htm

In every dream home.

In every dream home.

In every dream home.

In every dream home.

In every dream home.

In every dream home.

Sans Visage.

In every dream home.

Portraits

Young girls summertime.

Young girls summertime.

05
jan
10

Para que as despedidas sejam tingidas com um preto e branco que transita na corrente sanguínea dos trens e navios de David Plowden.

David Plowden (EUA) e seu vapor de suspiros movendo a máquina que deglute as distâncias dos enamorados. A força desses suspiros (tração) formando ruídos característicos da pele em erupção. Lenços sinalizando a (des)união da carne. Enquanto isso, o navio transita no sangue regurgitado dos ventres das mães. Nas águas límpidas coloridas pelo arco-íris de sentimentos que tingem essa vida e torna os filetes rubros.

http://www.davidplowden.com/

Great Northern Railway "Extra 3387 East" Near Delano, Minnesota (1956) and Great Northern Railway "Extra 3387 East" Near Delano, Minnesota (1956) (close-up).

Canadian Pacific Railway Locomotive Number 2412, Montreal, Quebec (1960) and Denver & Rio Grande Western Railroad, Locomotive taking sand, Chama, New Mexico.

Steamer Kinsman Independent, Duluth, Minnesota (1985) and Steamer Kinsman Independent,unloading cement clinker at Superior, Wisconsin (1985).

Erie Lackawanna Railroad, Westbound "Phoebe Snow" at Scranton, Pennsylvania (1964).

Erie Lackawanna Railroad, Westbound "Phoebe Snow" at Scranton, Pennsylvania (1964).

ps. Erie Lackawanna Railroad recorda a colorida e psicodélica Nichols Canyon de David Hockney. Depois de muitos amores (erodindo), claro.

19
dez
09

A bigorna do desejo enovelando os lábios jasmineiros.

O véu de vento levantando da terra a marrom poeira cósmica que se fixa no rastro da substância em crescimento dos dedos de Johannes Hüppi. Sugar as cores com os lábios débeis unindo a fina pele pulsante no aveludado intrínseco. A percepção sensorial e afetividade (sensibilidade) na delicadeza do contorcer das nucas. Os corpos que dizem depressa demais serão abençoados?

http://www.hueppi.de/Bilder/K%C3%BCsse

25
nov
09

Os fios que foram tecidos estão reunidos em Whitman e nas cores em leque de Bernard Buffet.

Le manoir aux ombelles – 1968 - oil on canvas 114 x 162 cm (Bernard Buffet)

“Pensar no tempo… pensar retrospectivamente,

Pensar no hoje.. e nas eras e eras que estão por vir.

 

Teve a impressão que não seguiria em frente? Já teve medo daqueles escaravelhos terrestres?

Teve medo do futuro não ser nada pra você?

 

Será que o hoje é nada? Será nada o passado sem origem?

Se o futuro não é nada, eles podem ser nada também.

 

Pensar que o sol se ergueu no leste…. que homens e mulheres eram ágeis e reais e vivos…. que cada coisa era real e estava viva;

Pensar que você e eu não vemos sentimos pensamos nem fazemos nossa parte,

Pensar que agora e aqui estamos fazendo a nossa parte.

 

Nem um dia se passa.. nem um minuto ou segundo sem um parto ;

Nem um dia se passa .. nem um minuto ou segundo sem um morto.

 

(…)

Pensar que os rios vão transbordar, e a neve cair e as frutas amadurecer .. e agir sobre os outros como em nós agora .. ainda assim não agir sobre nós ;

Pensar em todas essas maravilhas de cidades e países .. e outros se interessando bastante por eles, e nós nos interessando pouco por eles.

Pensar no quanto somos ansiosos quando construímos nossas casas,

Pensar que outros são tão ansiosos quanto .. e nós tão indiferentes.

(…)

O vulgar e o chique …. o que você chama de pecado e o que você chama de bondade..pensar quão grande a diferença ;

Pensar na diferença que continuará parar outros, no entanto jazemos além da diferença.

 

Pensar em quanto prazer existe !

Você sente prazer quando olha pro céu? Sente prazer com poemas?

Você se diverte na cidade? Ou metido em negócios? Ou armando uma indicação e eleição? Ou com sua mulher e a família?

Ou com sua mãe e irmãs? Ou em tarefas femininas? Ou nos lindos cuidados maternais?

 

Tudo isso também flui rumo aos outros …. você e eu fluímos em frente ;

Mas no tempo certo você e eu despertaremos menos interesse neles.

(…)

 

O que tem que ser será bom – pois o que é, é bom,

Interessar-se é bom, e não se interessar também é bom.

 

O céu continua lindo …. o prazer dos homens com as mulheres nunca será saciado.. nem o prazer das mulheres com os homens.. nem o prazer que provém dos poemas ;

As alegrias domésticas, o trabalho, o negócio diário, a construção de casas – eles não são fantasmas.. possuem peso e forma e local ;

As fazendas e os lucros e as safras .. os mercados e salários e o governo.. eles também não são fantasmas ;

A diferença entre pecado e bondade não é aparente;

A terra não é um eco …. O homem e sua vida e todas as coisas de sua vida são bem consideradas.

 

Você não está ao léu .. você se reúne com certeza e segurança ao seu redor,

De você mesmo! Você mesmo! Sempre você mesmo!

 

Não foi pra difundir você que você nasceu de pai e mãe – foi para identificar você,

Não foi pra que você fosse indeciso, mas que fosse decidido ;

Alguma coisa há tempos preparada e informe chegou e se formou em você,

Portanto você está salvo, haja o que houver.

 

Os fios que foram tecidos estão reunidos …. a trama atravessa a urdidura … o padrão é sistemático.

 

Cada um dos preparativos compensaram ;

A orquestra já finou os instrumentos o bastante …. a batuta já deu o sinal.

 

(…)

 

A lei do passado não pode ser suprimida,

A lei do presente e do futuro não pode ser suprimida,

A lei dos vivos não pode ser suprimida… é eterna,

A lei da promoção e transformação não pode ser suprimida,

A lei dos heróis e benfeitores não pode ser suprimida

A lei dos bêbados e dos delatores e das pessoas mesquinhas não pode ser suprimida.

 

Fileiras negras lentamente se movem sobre a terra,

Carregando nortista e sulista… e os que estão no litoral do Atlântico e no litoral do Pacífico e aqueles no meio, e em toda a região do Mississippi …. e sobre toda a terra.

 

(…)

 

As hordas intermináveis de ignorantes e marginais não são uma coisa qualquer,

Os bárbaros da África e da Ásia não são uma coisa qualquer,

As pessoas comuns da Europa não são uma coisa qualquer …. os aborígenes americanos não são uma coisa qualquer,

Um cafuzo ou Crowfoot ou Comanche não são uma coisa qualquer, pessoa imoral não são uma coisa qualquer,

A perpétua sucessão de gente superficial não são uma coisa qualquer,

A prostituta não é uma coisa qualquer …. o zombador da religião não é uma coisa qualquer.

 

Eu devo ir com o resto …. estamos satisfeitos:

(…)

 

Devo seguir com o resto,

Não vamos parar num determinado ponto …. isso não é satisfação ;

Mostrar uma ou algumas coisas boas por um tempo – isso não é satisfação ;

Precisamos ter a raça indestrutível dos melhores, não importa o tempo,

 

Se no entanto tudo terminar em cinzas de estrume,

Se vermes e ratos roerem, então suspeita a traição e morte.

 

Você desconfia da morte? Se eu desconfiasse da morte, morreria agora mesmo,

Acha que eu poderia caminhar feliz e bem-vestido rumo à aniquilação?

 

Feliz e bem-vestido vou,

Não sei dizer pra onde, mas sei que é bom

O universo todo indica que é bom,

Passado e presente indicam que é bom.

 

Que bonitos e perfeitos são os animais! Como minha alma é perfeita!

Como é perfeita a terra, e a coisa mais insignificante sobre ela!

O que é chamado de bem é perfeito, e o que é cahamado de pecado também;

Os vegetais e os minerais são todos perfeitos .. e os fluidos imponderáveis são perfeitos;

Lentamente e com certeza chegaram até aqui, e lentamente e com certeza irão mais além.

 

Oh, minha alma! Se a percebo me satisfaço,

Animais e vegetais! Se os percebo me satisfação,

Leis da terra e dor ar! Se as percebo me satisfaço!

 

Não sei definir minha satisfação .. e no entanto a sinto,

Não sei definir minha vida .. e no entanto a sinto.

 

Juro que agora sei que cada coisa tem uma alma etnerta!

As árvores enraizadas no chão …. as algas marinhas trem …. os animais.

 

Juro achar que só a imortalidade existe!

E  que este estranho esquema é por ela, e a flutuação nebulosa é por ela, e a atração é por ela,

E todo preparativo é por ela ..e a identidade é por ela ..e a vida e a morte, por ela.

 

Walt Whitman – Folhas de Relva [Pensar no Tempo]

17
nov
09

O amor comeu a fotografia de Anders Petersen.

Violenta substância crescente que violenta os sorrisos, os abraços e as saudações de Anders Petersen, com uma sinceridade que se torna perene e singular a cada clique. Em nós (depois de quilômetros de pele) existe um hospital mental que clama para explodir ou ser aliviado em cores que num fluxo contínuo pigmentam as sensações de preto-e-branco, denunciando a nostalgia que temos de tempos onde o céu agarrava em nossas costas. Somos especialmente possuídos por essa força cósmica que arrebenta os pulmões cheios de poesia. O corpo em suas contrações por euforia e melancolia excessiva. E a mansidão também faz isso.

http://www.anderspetersen.se/AndersPetersenHTML/anderspetersen.html

Café Lehmitz 1967-70

Café Lehmitz 1967-70

Café Lehmitz 1967-70

Café Lehmitz 1967-70

Café Lehmitz 1967-70

Café Lehmitz 1967-70

Du mich auch 1967-70

Du mich auch 1967-70

Du mich auch 1967-70

Gröna Lund 1973

Gröna Lund 1973

Prison 1984

Venice 1991

Venice 1991

Venice 1991

Mental Hospital 1995

Mental Hospital 1995

Mental Hospital 1995

Mental Hospital 1995

Mental Hospital 1995

Mental Hospital 1995

Mental Hospital 1995

Okinawa 1995

Close Distance 2002

Close Distance 2002

Close Distance 2002

Close Distance 2002

Close Distance 2002

Close Distance 2002

Rome 2005

Rome 2005

Saint Etienne 2005

Saint Etienne 2005

Paris 2006

Retrospective 1966-96

Retrospective 1966-96

FromBackHome 2009

FromBackHome 2009

FromBackHome 2009

07
nov
09

A poeira que a aridez, as saias e o brilho da retina (substância em crescimento) levanta em pinceladas fotográficas.

Joko fazendo todos os corpos se enovelarem pela fusão pupila / esclera que colore a tela pintada pelas lentes. As saias que telegrafam sinais no invisível incolor do vento. O exaustivo trabalho tece redes de pesca em linho cósmico, linho que tece a face das crianças denunciando a fé sem limites que a sedução da infância semeia e faz florescer (mesmo nos cantos mais áridos).

Joko / Madagascar.

http://www.smartcucumber.com/05_photos/joko/mada/jok_mada_1.htm

Femme des plateaux

Femme des plateaux.

androka_04

Androka.

Pêcheurs d'Androka

Pêcheurs d'Androka.

Pêcheurs d'Androka.

Pêcheurs d'Androka.

Androka.

Androka.

Antsirabe

Antsirabe.

Androka.

Androka.

Isalho.

Isalho.

Beheloka.

Beheloka.

Androka.

Androka.

Tulear

Tulear.

Enfants d'Itampolo.

Enfants d'Itampolo.

31
out
09

Sim, Walt Whitman: “Sempre o amor… Sempre o lacrimejante líquido da vida”

Auguste Rodin & Camille Claudel.

Auguste Rodin & Camille Claudel.

modiglianiandje

Amadeo Modigliani & Jeanne Hébuterne.

“Roland Barthes já observava: o amor é um assunto mais obsceno, para nossos contemporâneos,do que o sexo. Mais incômodo. Mais íntimo. Mais diíficil de dizer, de mostrar, de pensar. Digamos que a sexualidade tornou-se uma espécie de regra, à qual não há como não se submeter. O amor seria antes uma exceção. A sexualidade faz parte de nossa saúde. O amor seria antes uma doença, em todo caso um distúrbio. A sexualidade é uma força. O amor seria antes uma fraqueza , uma fragilidade, uma ferida. A sexualidade é uma evidência; o amor,um problema ou um mistério. Pode-se duvidar, inclusive , de sua existência ou, no mínimo, de sua verdade: e se fosse apenas um sonho, uma ilusão,uma mentira? Se por toda parte existisse apenas o sexo e o egoísmo? Se o amor só existisse, como já sugerida La Rochefoucauld , na medida em que falássemos dele?

(…)Amar é poder desfrutar ou  regozijar-se de algo ou de alguém. É portanto também poder sofrer, já que prazer e alegria dependem aqui, por definição, de um objeto exterior, que pode estar presente ou ausente, dar-se ou recusar-se… “Em relação a um objeto que não é amado, escreve Espinosa, nenhuma querela nascerá; não sentiremos tristeza se vier a perecer, nem ciúmes se cair em mãos de outro, nem temor, nem ódio, nem perturbação da alma…” Estamos longe disso, e basta dizer que o amor nos prende como a ele nos prendemos. Se nada amássemos, nem nós mesmos, nossa vida seria mais tranqüila do que é. Mas é que também já estaríamos mortos.

Não se pode viver sem amor, explica Espinosa, já que é o amor que faz viver: “Em razão da fragilidade de nossa natureza, sem algo de que gozemos, a que estejamos unidos e por que sejamos fortalecidos, não poderíamos existir.” O amor é uma potência – potência de gozar e de regozijar-se – mas limitada. Por isso ele marca também nossa fraqueza, nossa fragilidade, nossa finitude. Poder gozar e poder sofrer caminham juntos, como a alegria e a tristeza, e é o que significa e ao temor, ao gozo e à falta, enfim ao trágico e à insatisfação. (…)

O que é o amor? Espinosa dá esta bela definição: “O amor é uma alegria acompanhada da idéia de uma causa exterior.” Amar é regozijar-se de. Mas, e se a causa faltar? Resta, então, apenas a mágoa ou a falta.

É onde se pode pensar a relação entre duas definições do amor, que dominam toda a história da filosofia. Há a de Espinosa, que já era, no essencial, a de Aristóteles: “Amar, dizia este último, é regozijar-se.” E há em seguida a de Platão, que parece dizer bem o contrário. O amor, para Platão, não é primeiramente um alegria. O amor é falta, frustração, sofrimento: O que não temos, o que não somos, o que nos falta, eis os objetos do desejo e do amor.” São dois amores diferentes, que os gregos designavam por duas palavras diferentes: philia, para a alegria de amar, e eros, para a falta.(…)

(…)A falta e a alegria, Eros e philia, não são menos diferentes um do outro. Eros é primeiro, claro, já que a falta é primeira: vejam o recém-nascido que busca o seio, que chora quando lho retiram… É o amor que toma, o amor que quer possuir e guardar, o amor egoísta, o amor passional; e toda paixão devora. Te amo: te quero. Como este amor seria feliz? É preciso amar o que não temos, e sofrer com essa falta; ou então  ter o que não falta mais (já que o temos) e que por isso amamos cada vez menos (já que só sabemos amar o que falta). Sofrimento da paixão, tédio dos casais. Ou então é preciso amar de outra maneira: não mais na falta mas na alegria, não mas na paixão mas na ação – não mais em Platão mas em Espinosa. Te amo: sinto-me feliz porque existes. Todo casal feliz, e apesar de tudo existem alguns, é uma refutação do platonismo.

Eros é a falta e a paixão amorosa: é o amor que prende ou quer prender. Philia é a potência e a alegria duplicada pelas do outro: é o amor que regozija e compartilha.

Olhem a mãe e o filho. O filho toma o seio: é Eros, o amor que toma, é a própria vida. E a mãe dá o seio: é philia, o amor que dá, graças ao qual tudo continua e muda. Pois a mãe foi primeiro um filho: como todos, começou tomando. Mas aprendeu a dar, pelo menos a seus filhos, e é o que se chama um adulto. No início existe apenas Eros (há apenas o isso, como diz Freud), e talvez disso não escapemos: cada um começa tomando e não pára nunca. Mas, enfim, trata-se de aprender a dar, ao menos um pouco, ao menos à vezes, ao menos àqueles que amamos, àqueles que nos fazem bem ou nos regozijam…

(…)Dar sem tomar? Regozijar-se sem querer possuir nem guardar? Seria philia liberada de Eros, seria o amor liberado do eu, a alegria da falta, e foi o que os primeiros cristãos- quando foi preciso traduzir para o grego a mensagem do Cristo – chamaram ágape, que pode ser traduzido indiferentemente por amor ou caridade. É o amor liberado do eu, e por isso sem fronteira, sem margem, sem limite… Que deles sejamos capazes, duvido muito. Mas, enfim, isso indica pelo menos uma direção, que é a do amor: o amor não é o contrário do egoísmo; é seu efeito, sua foz –  como um rio se lança no mar-, enfim seu remédio ou, como diria Espinosa, sua salvação.

Vais passar toda tua vida a buscar um seio, ou a querer guardá-lo, ou a dele sentir saudades, quando há um mundo inteiro a ser amado?

Nunca se ama demais. Ama-se mal e mesquinhamente. ”

O amor é falta ou plenitude? – André Comte-Sponville